Pular para o conteúdo principal

Postagens

Prêmio Paraná de Literatura 2017

Informações:

a) Voltado a autores brasileiros
b) Livros inéditos - Contos, Poesias e Romances
c) Inscrição pela internet (conforme o Regulamento)

Premiação:
I) Prêmio em dinheiro
II) Publicação da obra

Prazo: 31 de agosto de 2017


Organização:
Governo do Estado do Paraná | Secretaria de Estado da Cultura
Biblioteca Pública do Paraná

Contato - Mais informações e Dúvidas:
premioparana@bpp.pr.gov.br
(41) 3221-4911 - 3221-4917 - 3221-4994

Regulamento:
http://www.bpp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=95

O filme mais triste de todos os tempos.

Fonte : Site Mundo Gump
Antes de falarmos sobre como um filme de luta consegue desgraçar uma pessoa de tanto chorar, é preciso saber como se chegou a essa conclusão. A aventura pela buscado filme mais triste do mundocomeçou quando James Gross, um estudante de graduação na Universidade da Califórnia, Berkeley, e seu professor de Psicologia, Robert Levenson, resolveram se unir a fim de descobrir que cenas de filme iriam fazer as pessoas sentirem a emoção mais poderosa. Em 1988, Levenson e Gross começaram a compilar uma lista de cenas de filmes carregadas emocionalmente, solicitando sugestões de “colegas, críticos de cinema, funcionários de lojas de vídeo” e estudos científicos que já usavam alguns filmes para estudar emoções.
A partir dessa lista, eles escolheram nada menos que 76 cenas que consideraram “tiro e queda” e que poderiam provocar sete emoções: o contentamento, a surpresa, o desgosto, a raiva, a tristeza, o medo e a diversão. Uma vez levantada essa seleção suprema das mais podero…

Conjugaciones por Mario Benedetti ( Poema )

5 (después)

El futuro no es una página en blanco es una fé de erratas.
8 (previsión)

                                 De vez en cuando es bueno                                  ser consciente                                  de que hoy                                  de que ahora                                  estamos fabricando                                  las nostalgias                                  que descongelarán                                  algún futuro.
9 (plurales)

                                                                Hay                                                                 ayeres                                                                 y mañanas

Crônicas do Cotidiano - Eu, meu amigo Tony e a faixa de pedestres.

Estávamos no ápice do verão europeu. O suor corria pelo rosto, ensopando a camiseta. Dentro do terminal de Victoria, tomei o ônibus que saia de Londres até Varsóvia. Viajem de aproximadamente sete horas. Era minha primeira vez na Polônia. Por isso, não sabia o que esperar.  Ao meu lado na poltrona, ia um polaco de quase dois metros de altura.
Ele se apresentou como Tony, num inglês carregadíssimo. Estava voltando para casa dos pais, após dois anos insignificantes na Inglaterra. Perguntei no que trabalhava. “Encanador”, disse ele. “Assim como uma centena de outros encanadores poloneses”, enfatizou. Lembrei-me de alguns amigos Albaneses que saiam no braço para ter uma vaga de emprego. Aposto que os poloneses não agiam muito diferente.
 Passado um terço da viagem, o ônibus fez sua primeira parada. Era quase meio dia, e eu estava morrendo de fome. Aprendi com viagens mais longas, a sempre levar comigo alguma fruta, sanduíche e suco, caso sentisse fome. Quando fui dar a primeira mordida no…

Me voy, volando por ahí...

"Soy de la cuidad con todo lo que ves 
Con su ruido, con su gente, consume vejez  Y no puedo evitar, el humo que entra hoy  Pero igual sigo creciendo, soy otro carbón
No voy a imaginar, la pena en los demás Compro aire y si es puro, pago mucho más... "


Caixa do Correio # 26

Os Lança-Chamas –  Rachel Kushner  I 2. O Som e a Fúria – William Faulkner
                 ETIQUETA: WILLIAM FAULKNER
Escritor norte-americano. Nascido em New Albany, William Cuthberth Faulkner renova a prosa norte-americana com sofisticadas experiências técnicas em seus textos. A maioria de seus romances tem como cenário o imaginário Condado de Yoknapatawpha, no sul dos EUA.
Sua obra reflete o desmoronamento do universo familiar e social de brancos e negros causado pela Guerra Civil Americana (1861-1865). Para ele, a fonte do mal é a escravidão, que teria afastado o homem da natureza. Vive até os 13 anos no Mississippi. Durante a I Guerra Mundial, por espírito de aventura, inscreve-se na aviação canadense e é enviado a Toronto.
Não sai do Canadá, mas jamais desmente a lenda de que teria participado de ações militares na Europa. Entra para a universidade em 1919, mas é reprovado em inglês e abandona o curso no ano seguinte. Trabalha como piloto, pintor de paredes e carteiro e, em 1924, p…

Mário de Sá-Carneiro

"Eu não sou eu
 Nem sou o outro
 Sou qualquer coisa
 De intermédio, pilar da ponte
 De tédio, que vai de mim para o outro."

Na parede da escola que fica ao lado de alguma faculdade.